Página Inicial - Home
Quem Somos
Dicas de Saúde
Fale Conosco
Produtos
Lançamentos
Apresentação Online
Cursos e Palestras
Login Senha

Efeitos do Óleo e da Mucilagem da Linhaça (Linum Usitatissimum) em Lesões Gástricas Induzidas por Etanol em Ratos
 
O texto original se encontra em inglês. Os autores do mesmo não têm qualquer responsabilidade sobre os erros que esta tradução possa conter.

Tradução Livre do Artigo Original

www.ljm.org.ly

Efeitos do Óleo e da Mucilagem da Linhaça (Linum Usitatissimum) em Lesões Gástricas Induzidas por Etanol em Ratos


Dugani A1, Auzzi A2, Naas F1 and Megwez S1
1 Department of Pharmacology and Clinical Pharmacy and 2 Department of Natural Products
Faculty of Pharmacy; Al-Fateh University for Medical Sciences, Tripoli, Libya
Resumo: A atividade anti-úlcera do oleo e da mucilage obtida da linhaça (Linum usitatissium) foi avaliada em um modelo de rato de úlcera gástrica induzida por etanol. Nossos resultados mostram que o pré-tratamento de ratos com óleo de linhaça e mucilagem de linhaça reduziu significativamente o número e o comprimento de úlceras gástricas induzidas por etanol. O óleo de linhaça foi mais efetivo que a mucilagem de linhaça na redução do número de úlceras. A redução da severidade da úlcera (comprimento cumulativo, em mm) provido por uma dose de óleo de linhaça (5 ml/kg) foi mais proeminente que a obtida por ranitidina (50 mg/kg). Este estudo indica que tanto o óleo de linhaça como a mucilagem de linhaça, podem prover um efeito citoprotetor contra úlceras gástricas induzidas por etanol em ratos.
Palavras-chave: úlcera gástrica, linhaça, etanol.

Introdução
O etanol é uma bem conhecida causa de lesão da mucosa gástrica, mas seus mecanismos patogênicos não são muito bem entendidos. Os radicais livres derivados do oxigênio, gerados pelo etanol podem ser responsáveis pela indução de lesões gástricas [1,2]. Radicais livres são produtos extremamente reativos, levando a danos oxidativos através da peroxidação lipídica [3,4].
Ervas e extratos de plantas são reconhecidos como fontes de antioxidantes naturais que podem proteger contra o estresse oxidativo e, assim, pode desempenhar um papel importante na quimioprevenção de doenças resultantes da peroxidação lipídica [5]. Muitos extratos de plantas que têm sido tradicionalmente usados para tratar úlceras gástricas também foram testados pelos seus efeitos citoprotetores em animais experimentais. Entre eles, se encontram Zingiber officinalis [6], Glycyrrhiza globra [7], Curcuma lunga [8], Brassica oleracea [9], Matricaria           chamomilla,      Matrcaria recutita       [10], Althaea officinalis [11], Punica garanatum e Trigonella foecum [12].
A linhaça é derivada do linho (Linum usitatissimum), da família Linaceae, e é cultivado por todo o mundo, pela sua fibra e óleo. A linhaça contém 6% de mucilagem ou fibras solúveis, 18% de fibras insolúveis, 25% de proteínas e 30-40% de óleo com ácido alfa-linolênico (ALA) perfazendo aproximadamente 50-60% do total de ácidos graxos [13]. ALA é um precursor dos ácidos graxos ômega-3, que fazem da linhaça a fonte líder de ômega-3 derivada de plantas [14]. Muitos estudos experimentais e clínicos demonstraram que ALA reduz o colesterol total [15], doenças cardíacas coronárias [16] e câncer de colo [17]. As lignanas constituintes da linhaça (mas não seu óleo) possui antioxidante in vitro e possíveis propriedades agonistas/antagonistas receptor de estrogênio, trazendo hipóteses sobre sua utilidade no tratamento do câncer de mama [18], câncer de próstata [19], doença inflamatória intestinal [20], nefrite lúpica [21], diabetes tipo 2 [22].   Existem poucos estudos sobreo os benefícios à saúde da mucilagem da linhaça, como redução do colesterol total [14] e os níveis de glicose no sangue [23].


Compostos naturais ricos em omega-3 (um antioxidante conhecido) estão sendo testados em modelos de animais de úlceras gástricas. Al Harbi et al [24] demonstrou que óleo de peixe produzia uma inibição significativa de lesão na mucosa gástrica induzida por ligação pilórica, antiinflamatórios não esteroides (AINEs), reserpina, etanol e restrição hipotérmica em ratos.
A partir destas observações, nossa hipótese é que a planta da linhaça pode prover proteção contra úlceras gástricas experimentalmente induzidas em ratos. Para alcançar este objetivo, nós estudamos os efeitos do óleo e da mucilagem da linhaça em úlceras gástricas induzidas por etanol em ratos.
Materiais e Métodos
Material vegetal: A linhaça (Linum usitatissimum) foi obtida de uma fazenda de uma região de Misrata, leste de Tripoli.
Preparação dos extratos de linhaça
Preparação do oleo de linhaça: Um quilograma de linhaça em pó foi macerado em uma mistura 1:1 de éter de petróleo e acetato de etila por 24 h. Após a filtração, o filtrado foi concentrado em um evaporador rotatório, sob pressão reduzida. Cerca de 450 ml de óleo foi obtido.
Preparação da mucilagem de linhaça: Um quilograma de linhaça foi moído e colocado em 1 L de água destilada por 24 h. A mucilagem foi obtida por filtração do sobrenadante seguida pela evaporação do excesso de água em um evaporador rotatório.
Preparação das soluções de drogas:    Cloridrato de ranitidina (Sigma chemicals Co, Alemanha) foi dissolvido em água destilada a 5,0%, etanol (Farmitalia, Carlo Erba, Itália) foi diluída em água destilada para obter solução de 75%.
Animais: Ratos Wistar machos (criados na Animal Care Unit, Department of Pharmacology and Clinical Pharmacy, Al-Fateh University for Medical Sciences), pesando 165-250 g, foram usados no estudo. Eles foram alojados em uma temperatura ambiente de 23°C com 12 horas de ciclo claro-escuro. Os animais foram alimentados com uma dieta balanceada e livre acesso a água. Todos os animais foram mantidos em jejum 36 h antes do início dos experimentos.


 


O estudo foi aprovado pela faculdade e os experimentos foram feitos de acordo com as diretrizes éticas da Al-Fateh University for Medical Sciences.
Delineamento dos experimentos
Efeitos do óleo de  linhaça em úlcera gastrica induzida por etanol
Os animais foram aleatoriamente divididos em 5 grupos de 6 ratos. Três grupos de tratamento receberam 2,5, 5,0 e 10,0 ml/kg de óleo de linhaça (FSO) por sonda gástrica, respectivamente. O grupo de controle negativo recebeu 5,0 ml/kg de óleo de milho, e o grupo de controle positivo recebeu 50 mg/kg de cloridrato de ranitidina. Trinta minutos depois, todos os animais receberam 1,0  ml de 75% (v/v) de etanol por via oral, para induzir úlceras gástricas.
Uma hora depois da admnistração de etanol, todos os ratos foram mortos por uma overdose de éter e os estômagos foram rapidamente removidos, abertos ao longo de sua curvatura maior, lavados com água destilada, mantidos planos em uma superfície de parafina, e fixados em formalina 10% por 24 h. Os estômagos foram então examinados pelo número de úlceras e o comprimento das úlceras (em mm) foi medido com uma régua, sob uma lupa iluminada (3X).
Efeitos da mucilagem de linhaça em úlcera gástrica induzida por etanol
Os animais foram aleatoriamente divididos em 4 grupos de 5 ratos. Dois grupos de tratamento receberam 10,0 e 20,0 de mucilagem de linhaça (FSM) através de gavagem, respectivamente. O grupo de controle negativo recebeu 5,0 ml/kg de água destilada e o grupo de controle positivo recebeu 50 mg/kg de cloridrato de ranitidina. Depois de 30 min, todos os animais receberam 1,0 ml de 75% (v/v) de etanol por via oral, para induzir úlceras gástricas.
Uma hora depois da administração de etanol, todos os ratos foram mortos por uma overdose de éter e os numeros e tamanhos das úlceras foram determinadas, como descrito acima.
Análises estatísticas:
Os dados foram analisados com o teste-t não emparelhado (duas amostras de variância igual), usando SPSS 11.0. Valores de P <0,05 foram considerados significativos. Os resultados são apresentados como a média + SEM.
Resultados
Efeitos do óleo de linhaça em úlcera gastrica induzida por etanol
O pré-tratamento com FSO (óleo de linhaça) reduziu significativamente, de maneira dose-dependente, o número de úlceras e o comprimento cumulativo (gravidade) das úlceras induzidas por etanol (Fig. 1). FSO a uma dose de 5,0 ml/kg foi o mais efetivo na redução do número (p < 0,001) e o comprimento das úlceras (p < 0,001) em relação ao controle de animais tratados com uma quantidade equivalente de óleo de milho.
 Notavelmente, FSO em 10,0 ml/kf foi menos protetivo que em 5,0 ml/kg. Em 5,0 ml/kg, ele foi mais potente que ranitidina (controle positivo) na redução do comprimento das úlceras gástricas. Estômagos representantes de ratos pré-tratados com óleo de milho, ranitidina e diferentes doses de FSO são mostrados na figura 3.
Efeitos da mucilagem de linhaça em úlceras gástricas induzidas por etanol

Mucilagem de linhaça em uma dose menor de 10 ml/kg reduziu significativamente o número e o comprimento das úlceras gástricas induzidas por etanol (p<0,05) (Fig. 2). A redução do comprimento da úlcera por FSM a 10,0 ml/kg foi cerca de metade da redução obtida por ranitidina a 50 mg/kg. Em uma dose de 20,0 ml/kg, FSM reduziu significativamente o comprimento, mas não o número de úlceras induzidas por etanol (p<0,001). Estômagos representantes de ratos tratados com água destilada, ranitidina e diferentes doses de FSM são mostrados na figura 4.

Figura 1
Figura  1:  Efeito do óleo da semente de Linum usitassimum em úlcera gástrica induzida por etanol. Os dados estão expressos como médias + SEM (n=5-6). *P<0,05; ** p<0,01; *** p<0,001 versus controle (óleo de milho+etanol). FSO = óleo de linhaça; EtOH = etanol.



 Figura 2

Figura 2: Efeito da mucilagem da semente de linum usitassimim em úlcera gástrica induzida por etanol. Os dados estão expressos como médias + SEM (n=5-6). *P<0,05; ***p<0,001 versus controle (óleo de milho + etanol). FSM = mucilagem de linhaça. EtOH = etanol.

 Figura 3

Figura 3. Estômagos representantes mostrando os efeitos do pré-tratamento com óleo de linhaça em lesões gástricas induzidas por etanol em ratos. A parte de cima representa o pré-estômago e em baixo está o corpo, (as setas amarelas indicam lesões gástricas).

 

Figura 4 


Figura 4. Estômagos representantes mostrando os efeitos do pré-tratamento com mucilagem de linhaça em lesões gástricas induzidas por etanol em ratos. A parte de cima em cada estômago representa o pré-estômago enquanto em baixo está o corpo, (as setas amarelas indicam lesões gástricas).
Discussão
Os resultados deste estudo preliminar demonstram claramente que o pré-tratamento de ratos com óleo e mucilagem de linhaça protege a mucosa gástrica contra úlcera gástrica induzida por etanol. O modelo de úlcera gástrica induzida por etanol é principalmente usado para estudar os efeitos protetivos de substâncias


com possíveis anti-oxidantes e propriedades de limpeza de radicais livres [10].
Apesar das extensivas pesquisas realizadas sobre os efeitos do FSO (óleo de linhaça) na prevenção e tratamento de muitas condições patológicas, incluindo redução de colesterol, e prevenção de câncer e diabetes, não foi estudado no contexto de doenças gastrointestinais, particularmente úlcera péptica.
Estudos mostraram que limpadores de radicais livres, tais como vitamina E, vitamina A, e extratos vegetais de Falcaria vulgaris, Shankha bhasma, Kielmeyera coriacea, Ginkgo biloba, e Nigella sativa L, provêm efeitos protetores contra lesões gástricas experimentalmente induzidas [25-29]. Descobriu-se que a administração de óleo de peixe, que é conhecido por conter metade da quantidade de ômega-3 comparado com óleo de linhaça, protege significativamente contra úlceras gástricas induzidas por etanol em ratos em doses de 5 a 10 ml/kg de peso do corpo [24].
Nossos resultados mostram que óleo de linhaça fornece proteção contra úlceras gástricas induzidas por etanol em ratos. A redução no comprimento da úlcera por 5,0 ml/kg de FSO (óleo de linhaça) foi significativamente maior que a obtida por 50 mg/kg da droga padrão ranitidina.
A mucilagem obtida a partir da linhaça também produziu uma redução significativa na severidade da patologia da úlcera (comprimento da úlcera) e, em menor medida, na sua incidência (número de úlceras).
Em conclusão, este estudo fornece uma evidência que os produtos de linhaça (óleo e mucilagem) têm efeito gastroprotetor contra úlceras gástricas induzida por etanol. São necessários mais estudos para explorar os efeitos da administração crônica de FSO (óleo de linhaça) e FSM (mucilagem de linhaça) no modelo de úlcera gástrica e outros modelos, tais como úlceras induzidas por anti-inflamatórios não esteróides, ligação pilórica, e úlceras gástricas induzidas por estresse. Além disso, os efeitos do óleo e da mucilagem de linhaça na produção de muco e secreção de ácido gastric serão testados em uma tentativa de explorar os possíveis mecanismos dos seus efeitos antiúlcera.
Referências
1.Pihan G, Regillo C, Szabo S. Free radicals and lipid peroxidation  in  ethanol-and  aspirin-induced  gastric  mucosal injury. Dig Dis Sci 1987; 32:1395-1401.
2.Szelenyi I, Brune K. Possible role of oxygen free radicals in ethanol-induced gastric mucosal damage in rats. Dig Dis Sci 1988;
33:865-871.
3.Yoshikawa T, Ueda S, Naito Y, et al. Role of oxygen-derived free radicals in gastric mucosal injury induced by ischemia or ischemia                   reperfusion   in     rats.    Free     Radical    Research Communication 1989; 7:285-291.
4.Bagchi D, Carryl O, Tran M, et al. Stress, diet and alcohol- induced oxidative gastrointestinal mucosal injury in rats and protection by bismuth subsalicylate. J Applied toxicol 1998; 18 [Suppl 1]:3-13.
5.Nakatani  N.  Phenolic  antioxidants  from  herbs  and  spices. Biofactors 2000; 13 (Suppl1-4):141-146.
6.Laakshmayya  B,     Kumar  P,   Mahurkar  N,      Setty  S. Pharmacological Screening of Root of Operculina turpethum and its Formulations Acta Pharmaceutica Sciencia 2006; 48:11-17.
7.Dehpour A, Zolfaghari ME, Samadian T, Vahedi Y. The protective effect of liquorice components and their derivatives against gastric  ulcer  induced by  aspirin  in  rats.               J  Pharm
Pharmacol 1994 ; 46:148-149.
8.Rafatullah S, Tariq M, Al-Yahya MA, Mossa JS, Ageel AM. Evaluation of turmeric (Curcuma longa) for gastric and duodenal antiulcer activity in rats. J Ethnopharmacol 1990; 29:25-34.
9.Akhtar M, Munir M. Evaluation of the gastric antiulcerogenic effects of Solanum nigrum, Brassica oleracea and Ocimum basilicum in rats. J Ethnopharmacol 1989; 27:163-176.
10.  Repetto  M,  Llesuy  S.  Antioxidant properties of  natural compounds used in popular medicine for gastric ulcers. Braz J Med Biol Res 2002; 35:523-534.
11. Khayyal M, El-Ghazaly M, Kenway S. Antiulcerogenic effect of some gastrointestinal acting plant extracts and their combination. Arzeimittel-Forschung 2001; 51:545-553.
12. ElBishti W, Dugani A, Giuranzi A. Evaluation of anti-ulcer activity of Punica garanatum Linn and Trigonella foecum-graecum seeds against stress and aspirin-induced gastric ulcer in rats. Jamahiriya Medical Journal 2003; 2:43-46.
13. Trease G and Evans W. Drugs of biological origin. In: Trease and Evans, 11th ed. Bailliere Tindall. London 1980; pp
319-320, 741.
14. Cunnane SC, Ganguli S, Menard C, et al. High a-linolenic acid flaxseed (Linum usitatissimum): some nutritional properties in humans. Br J Nutr 1993; 49:443-453.
15. Prasad,K, Mantha S, Muir A, Westcott N . Reduction of hypercholesterolemic atherosclerosis by CDC-flaxseed with very low alpha-linolenic acid. Atherosclerosis 1998; 136:367-375.
16. Zhao G, Etherton TD, Martin KR, West S, Gillies P, Kris- Etherton P. Dietary alpha-linolenic acid reduces inflammatory and lipid cardiovascular risk factors in hypercholestrolemic men and women. J Nutr 2004; 134:2991-2997.
17.  Dwivedi C,  Natarajan K,  Matthees D.  Chemopreventive effects of dietary flaxseed oil on colon tumor development.  Nutr Cancer 2005; 51:52-58.
18. Wang L, Chen J, Thompson L. The inhibitory effect of flaxseed on the growth and metastasis of estrogen receptor negative human breast cancer xenograftsis attributed to both its lignan and oil components. Int J Cancer 2005; 116:793-798.
19. Demark-Wahnefried W, Price D, Polascik T, Robertson C, Anderson E, Paulson D, et al.  Pilot study of dietary fat restriction

and flaxseed supplementation in men with prostate cancer before surgery:  exploring  the  effects  on  hormonal  levels,  prostate- specific  antigen,  and  histopathologic  features.  Urology  2001;


58:47-52.
20. Belluzzi A, Boschi S, Bringola C, Munarini A, Cariani C, Miglio  F.  Polyunsaturated fatty  acids  and  inflammatory bowel disease. Am J Clin Nutr 2000; 71[Suppl]:339S-342S.
21. Clark W, Kortas C, Heidenheim A, Garland J, Spanner E, Parbtani A. Flaxseed in lupus nephritis: a two year non-placebo- controlled crossover study. J Am Coll Nutr   2001; 20 [Suppl2]:
143-148.
22. Prasad K. Secoisolariciresinol diglucoside from flaxseed delays the development of type 2 diabetes in Zucker rat. J Lab Clin Med
2001; 138:32-39.
23. Prasad K Oxidative stress as a mechanisms of diabetes in diabetic BBd prone rats: Effect of secoisolariciresinol diglucoside (SDG) isolated from flaxseed. Mol Cell Biochem.2000; 209:89-96.
24. Al-Harbi M, Islam M, Al-Shabanah O, Al-Gharably N. Effect of acute administration of fish oil (omega-3 marine triglyceride) on gastric ulceration and secretion induced by various ulcerogenic and necrotizing agents in rats. Food Chem Toxicol 1995; 33:553-
558.
25. Al Nafeeza M, Fauzee A, Kamsiah J, Gapor M. Comparative effects of a tocopherol-rich fraction and tocopherol in aspirin- induced gastric lesions in rats. Asia Pacific J Clin Nutr 2002;
11:309-313.
26. Pandit S, Sur T, Jana U, Bhattacharyya D, Debnath P. Anti- ulcer effect of  Shankha bhasma in rats: a  preliminary study. Indian J Pharmacology 2000; 32:378-380.27. Goulart Y, Sela V, Obici S, et al. Evaluation of gastric anti-ulcer activity in hydroethanolic extract from Kielmeyera coriacea. Braz Arch Biol Technol 2005; 48:211-216.
28. Chen S, Liang Y, Chao J, et al.  Protective effects of Ginkgo biloba extract on ethanol-induced gastric ulcer in rats. World J Gastroenterol 2005; 11:3746-50.
29. Rajkapoor R, Anandan R and Jayakar B. Anti-ulcer effect of
Nigella sativa Linn against gastric ulcers in rats. Current Science

2002; 82:177-179.

Voltar

hidea.com